Notícias

Jovens tiram emprego do foco e planejam abrir negócio próprio

3 dez, 2013 | Enviado por em Notícias

Os jovens estão apostando mais em negócios próprios. Há alguns anos, aqueles que saiam da faculdade sonhavam com carteira assinada, carreira sólida e em conquistar espaço em grandes multinacionais. Mas, esse cenário já não condiz com a realidade daqueles que têm entre 20 e 30 anos.

Segundo pesquisas de perfil realizadas pela FGV (Fundação Getulio Vargas) a pedido do Lide Futuro, vertente do Lide (Grupo de Líderes Empresariais) que reúne jovens e potenciais líderes do futuro do País, cerca de 80% dos entrevistados esperam se tornar empreendedores dentro de 10 anos, outros 46% já estão empreendendo. “Assim sendo, o Brasil será o país mais empreendedor do mundo em poucos anos”, afirma o professor Fernando Meirelles, presidente do Lide Conteúdo.

Atualmente, a meta de ter o próprio nnegócio, com horário flexível e oportunidade de alcançar ganhos mais elevados, está à frente do objetivo de seguir carreira como empregado. Para esses futuros líderes, obter um ambiente econômico favorável é a maior dificuldade para empreender. “O Brasil é um país de muitos impostos, custos altos. Se não fosse por isso, seria mais fácil ter um negócio”, explica Meirelles.

O capital necessário para empreender é visto como ponto preocupante para entre 30% e 32% dos jovens. A dificuldade para dar andamento à carreira empreendedora foi apontada por 22%, seguido de ambiente favorável (26%) e experiência (24%).

Avaliação de Potencial é Indispensável em Programas de Trainee

22 nov, 2013 | Enviado por em Notícias

Num programa de traineestodos os detalhes são muito importantes. Afinal, a empresa está buscando profissionais no mercado que, além de apresentarem alto nível de capacidade técnica, também devem possuir potencialidade de desenvolvimento para si e para a organização.

Dessa maneira, são várias as fases pelas quais passam os profissionais que se candidatam a trainees. Durante a seleção, passam pela análise de currículo, entrevistas sobre suas habilidades (com o recrutador e com profissionais da própria empresa), entrevistas em outras línguas, testes em grupo, etc. Enfim, uma imensa gama de ferramentas que formarão o grupo mais bem cotado de profissionais do mercado. Ao menos é isso o que as empresas esperam, e para atingirem esse objetivo contratam companhias especializadas em todo esse processo.

Garimpar os novos profissionais do mercado é uma tarefa árdua, que exige tempo, atenção e muita dedicação. No entanto, se ao final de todo esse processo a organização não tiver encontrado os profissionais com perfil psicológico adequado à sua cultura e às atividades que exercerão na empresa, provavelmente as chances de continuarem na organização e a de proverem resultados serão mínimas.

Analisar minuciosamente a capacidade técnica e o conhecimento de cada profissional é, certamente, ação indispensável na tarefa de encontrar os melhores trainees do mercado. Mas, deixar de fora desse processo uma análise psicológica profunda, por meio de uma ferramenta de avaliação de potencial eficaz, é desperdiçar tempo e dinheiro num programa de trainees de alta complexidade, porém incompleto e ineficiente.

Nenhuma empresa deve esquecer-se de que ao buscar profissionais no mercado, para dentro de seu ambiente organizacional, está adquirindo experiências, valores, culturas e capacidades que se diferem. Um profissional, mesmo com toda bagagem formal e conhecimento adquirido nas melhores universidades, não é certeza de sucesso para a empresa caso não se encaixe em sua cultura, forma de trabalho e metas.

Colocar à prova o perfil de um profissional, avaliando minuciosamente seu potencial, é positivo tanto para a empresa quanto para ele próprio, que estará ciente de suas habilidades e do quanto pode trabalhar para desenvolvê-las, priorizando seus pontos fortes e atingindo seus objetivos.

Além disso, com uma avaliação de potencial adequada e alto grau de fidedignidade, a empresa tem não apenas o simples perfil de seus trainees, mas também um roteiro importantíssimo de como aproveitar e otimizar suas aptidões, assim como aplicar ações corretas de desenvolvimento profissional ao longo de sua trajetória na empresa.

Enfim, se uma organização preocupa-se com a busca de novos profissionais, já apresenta um primeiro indício de que está sempre atenta às mudanças do mercado, buscando novas visões e valorizando talentos. Mas, preocupar-se com a adequação desses talentos à empresa complementa essa primeira ação e, é ainda mais importante para seu crescimento.

Num programa de traineestodos os detalhes são muito importantes. Afinal, a empresa está buscando profissionais no mercado que, além de apresentarem alto nível de capacidade técnica, também devem possuir potencialidade de desenvolvimento para si e para a organização.

Dessa maneira, são várias as fases pelas quais passam os profissionais que se candidatam a trainees. Durante a seleção, passam pela análise de currículo, entrevistas sobre suas habilidades (com o recrutador e com profissionais da própria empresa), entrevistas em outras línguas, testes em grupo, etc. Enfim, uma imensa gama de ferramentas que formarão o grupo mais bem cotado de profissionais do mercado. Ao menos é isso o que as empresas esperam, e para atingirem esse objetivo contratam companhias especializadas em todo esse processo.

Garimpar os novos profissionais do mercado é uma tarefa árdua, que exige tempo, atenção e muita dedicação. No entanto, se ao final de todo esse processo a organização não tiver encontrado os profissionais com perfil psicológico adequado à sua cultura e às atividades que exercerão na empresa, provavelmente as chances de continuarem na organização e a de proverem resultados serão mínimas.

Analisar minuciosamente a capacidade técnica e o conhecimento de cada profissional é, certamente, ação indispensável na tarefa de encontrar os melhores trainees do mercado. Mas, deixar de fora desse processo uma análise psicológica profunda, por meio de uma ferramenta de avaliação de potencial eficaz, é desperdiçar tempo e dinheiro num programa de trainees de alta complexidade, porém incompleto e ineficiente.

Nenhuma empresa deve esquecer-se de que ao buscar profissionais no mercado, para dentro de seu ambiente organizacional, está adquirindo experiências, valores, culturas e capacidades que se diferem. Um profissional, mesmo com toda bagagem formal e conhecimento adquirido nas melhores universidades, não é certeza de sucesso para a empresa caso não se encaixe em sua cultura, forma de trabalho e metas.

Colocar à prova o perfil de um profissional, avaliando minuciosamente seu potencial, é positivo tanto para a empresa quanto para ele próprio, que estará ciente de suas habilidades e do quanto pode trabalhar para desenvolvê-las, priorizando seus pontos fortes e atingindo seus objetivos.

Além disso, com uma avaliação de potencial adequada e alto grau de fidedignidade, a empresa tem não apenas o simples perfil de seus trainees, mas também um roteiro importantíssimo de como aproveitar e otimizar suas aptidões, assim como aplicar ações corretas de desenvolvimento profissional ao longo de sua trajetória na empresa.

Enfim, se uma organização preocupa-se com a busca de novos profissionais, já apresenta um primeiro indício de que está sempre atenta às mudanças do mercado, buscando novas visões e valorizando talentos. Mas, preocupar-se com a adequação desses talentos à empresa complementa essa primeira ação e, é ainda mais importante para seu crescimento.

PwC abre programa de trainees para estudantes e profissionais de Administração

12 nov, 2013 | Enviado por em Notícias

Estudantes a partir do 2º ano da graduação ou com até dois anos de formação poderão se inscrever.

A PwC recebe, até o dia 2 de dezembro, inscrições para o Programa Nova Geração PwC 2014, que oferece vagas para trainees. As oportunidades são para São Paulo e Rio de Janeiro.

Estudantes a partir do 2º ano da graduação ou com até dois anos de formação na área de Administração poderão se inscrever e disputar, com candidatos de várias áreas, vagas em Auditoria, Consultoria de Negócios e Consultoria Tributária e Societária.

Todos os interessados devem ter inglês, que varia do nível básico ao intermediário, dependendo do posto pretendido pelo candidato. Após passar por todas as etapas do processo seletivo, os selecionados serão admitidos em abril ou julho de 2014.
Para saber mais sobre as etapas do processo seletivo e se inscrever, acesse o site da PwC. (http://www.pwc.com.br/novageracao)

As lições para sua empresa dos melhores programas de trainee

8 nov, 2013 | Enviado por em Notícias

A seleção de trainees não é apenas a chance de atrair talentos; ela é também o cartão de visita de sua empresa, e a chance de convencer os melhores ficar.

São Paulo – Na busca por líderes com uma formação sólida e amplo conhecimento do ramo em que atuam, muitas empresas investem pesado em programas de trainee. Após passarem por um rigoroso processo de seleção, jovens recém graduados são imersos no dia a dia da empresa para, no futuro, assumirem cargos de liderança. Segundo indicadores levantados pela Page Talent, candidatos tentam em média 25 programas de trainee e vão adiante no processo seletivo de cerca de dez deles. Para atrair esses “talentos”, as companhias oferecem desde gordas remunerações e participação nos lucros até cursos acadêmicos complementares e experiência internacional.

“Eles são ambiciosos, querem assumir cargos de gestão. É muito importante que a empresa ofereça um desenvolvimento a eles”, diz Manoela Costa, gerente da Page Talent.  “Para ter maior aderência, entusiasmo, o programa tem que ser muito completo. Os jovens hoje estão super conectados, visam qualidade de vida e conciliar o trabalho com os interesses pessoais”, reforça  a gerente de projetos da Cia de Talentos, Felicia Duarte. Confira algumas lições que sua empresa pode aprender com quem possui alguns dos programas de trainee mais diferenciados do país, segundo os especialistas.